domingo, 10 de abril de 2011

O velho e Deus no quiosque do café

Estive a andar em minha casa numa manhã qualquer e lembrei-me de uma ocasião da qual jamais vou esquecer. Rememorei um senhor, já velho e perto do fim dos seus dias, que contava histórias intermináveis de sua vida, enquanto permanecia sentado num baquinho de um quiosque de café num shopping de Florianópolis.


Parei ali por causa do cheiro, sentei-me com o interesse principal de um café delicioso, mas me fixei naquele homem, e tudo o que vi foi armar a isca sutil perto de um peixe agitado pela vida. Pedi meu café, e observei um homem que o escutava que o ignorou e partiu, chamando-o de louco pelo não-verbal. Passei a dá-lo atenção, buscando de alguma maneira falar do amor de Deus para ele.


Vi que os erros de sua vida eram o peso maior das suas histórias. Ele dizia: “Ih, minha filha, eu não tenho jeito não. Já fiz muita coisa errada na minha vida”. E eu o dizia: “Que isso. Tem sim”. E falou, e falou... Passei a ficar entediada, não por sua fala, mas porque a minha oportunidade estava passando entre os dedos.


Chegou um rapaz. Um rapaz meio gordinho. Entrou na conversa. Disse ele que havia se apaixonado por uma gaúcha, e gre,gre,gre... Gregório. No meio de tudo aquilo eu só precisava de uma fresta de luz, só uma... Apenas uma pequena abertura da porta, que pudesse atravessar meu braço a fim de puxá-lo, o senhor peixe, para fora do seu mundo culposo. A fresta veio. A namorada do rapaz chegou, apresentou-a ao senhor, mas distraíram-se dele por um instante; meu povo começou a se movimentar a metros dali dando sinais que estavam para sair; meu café acabou; é agora.


- Eu preciso ir, mas não vou sair daqui sem que o senhor saiba que Deus perdoa os seus pecados, por mais que tenham sido muitos, e que Ele quer entrar em sua vida. O senhor O quer?


- Sim.


E aquele senhor, com os olhos emaranhados, fez uma oração de entrega da sua vida ao Senhor Jesus.


Ao lembrar-me desse fato , que já faz uns bons cinco anos, pude ouvir a voz de Deus: “Ele está comigo”. Respirei de alívio. Lembro na época que chorei tanto ao contar aos meus amigos o que aconteceu naquele quiosque do shopping como se fossem mil pessoas a serem salvas para Deus. Mas, naquele dia eu sei que, aquele senhor valia mais que o mundo inteiro.




Vandressa Holanda Gefali



direto desta geração.

Nenhum comentário: