segunda-feira, 29 de abril de 2013

Os anjos e os demônios em Nova Iorque – parte 1

Era a minha última noite em Nova Iorque. Estava exausta, as pernas doíam. Fui dar um último passeio na Time Square. O frio não era tão cortante quanto do primeiro dia, mas rachara a minha boca de tal modo que não a movimentava.
Antes de voltar ao Hostel, entrei na pizzaria do inferno. Comi um pedaço de pizza enviado e fui embora. No momento em que subia devagar em meio às penumbras das luzes dos andares, vi passar na minha frente um anjo. Logo perguntei para Deus o que estava acontecendo.
Às quatro da madrugada descobri.
Acordei de súbito. Um sobe-desce dentro de mim. Eu conhecia aqueles sintomas, foi aquela pizza maledita do italiano. Se tivesse comido na Hell´s Kitchen faria jus, mas não foi. Tive uma desidratação que me deixou no banheiro por quatro horas. Tornei-me todas as cores, e só pensava que meu voo de volta à Califórnia era às duas da tarde, para ajudar, em Newark – Nova Jersey.
Houve uma segunda francesa chamada Agheta (ainda conto das minhas aventuras no hostel), que entrou no banheiro por volta das 7h30 perguntando se eu estava bem. Eu estava morrendo. Desejou-me melhoras e saiu para passear. A La France!
Entrei no quarto e liguei na assistência médica. Por várias vezes não conseguia falar com alguém que prestasse, até que um atendente de voz aguda me disse o endereço. Desci com as malas, um rapaz alto me ajudou. Cheguei para o check-out e uma negra forte de pescoço do Bronx me atendeu. Senti-me verde. Corri novamente ao banheiro. Pedi que ela me chamasse o taxi - o único favor que fizera. Desci 68 quilos de mala contra os 3 que perdi menos força. Parou um negro dentro de um ladau preto de porta malas de quitenete. Arremessou a mala e por 15 dólares fomos beirando o Central Park...
Continua...
Vandressa Holanda Gefali
Direto desta geração

Um comentário:

Anônimo disse...

Pow Vandolis... fiquei curiosa rsss