quarta-feira, 1 de maio de 2013

Os anjos e os demônios em Nova Iorque – parte 2

Músicas natalinas, eu já não aguentava mais. Em todos os lugares, na Macy´s, nas esquinas, nas lojas de brinquedos e na rádio em que o motorista ouvia naquele táxi de velório. Só tocavam aquele tipo de música naquela época? Aleluia de Handel, papainoelísticas, recitais de coral gospel...
- O senhor é cristão?
-Não, não! Não sou!
Disse-me o motorista negro de cabelos quase grisalhos, beirando os cinquenta anos.
Então, quer dizer que tudo aquilo era uma farsa comercial de todos os anos do uso de músicas de exaltação a Deus para vender seus bons produtos e fazer o dinheiro girar? Uma máscara como as luzes de uma cidade sem a Luz.
O motorista seguiu para o endereço. Não havia clínica nenhuma ali. Olhei o endereço de novo e deduzi outro número. Também não era. O transito não ajudou. Começou então a murmuração americana.
- Um momento senhor, deixe-me ver.
Foi quando lembrei que em Manhattan as ruas não se cruzam, são paralelas, e que as vias verticais são avenidas. Liguei na assistência.
- Escuta, dê-me o endereço certo. Aqui em Nova Iorque as ruas não se cruzam, e vocês me deram o cruzamento de duas ruas...
Nisso me custou quatro ligações até que acertassem o endereço correto e cinquenta reais do abusado do motorista. Acredite, eu briguei com ele em inglês, insisti, mas ele me deixaria sozinha com a super-mala e meu mal-estar em qualquer lugar. Eu não tinha forças. Estava com uma lata de energético nas mãos que não havia bebido por medo de vomitar no carro. Perdi o medo. A discussão fez espantar a disenteria também.
Finalmente, a clínicas dos hebreus na 34th East. O médico quis me internar para o soro, disse para ele:
- Eu tenho que ir. Meu avião decola às 2 da tarde. – Eram meio-dia.
Ele liberou-me e outro médico negro de simpatia me disse para tomar um ônibus já que meu destino era ir até a Penn Station que ficava ali mesmo na 34th West, mas depois de muitos quarteirões. Poor thing... Fui a pé, e foi uma experiência frustrante. Burra, diria...
Continua...
Vandressa Holanda Gefali

Direto desta geração

Nenhum comentário: